[Skip to Content]

Energias solar e eólica fornecerão o aquecimento à Dinamarca

O aquecimento na Dinamarca deve ser fornecido através da energia solar e eólica, é a recomendação da comissão dinamarquesa para as alterações do clima. Para os serviços de aquecimento urbano é nitidamente uma área com um futuro promissor.

por Lea Pagh

Mesmo que cerce de 40% do aquecimento urbano já utilize recursos verdes como a biomassa, o aquecimento renovável aumentará no futuro. O relatório da comissão para as alterações climáticas, publicado a 28 de setembro de 2010, concluiu que “aqueceremos nossas casas com bombas de calor alimentadas de eletricidade proveniente de turbinas eólicas. A biomassa, a energia solar, a geotermia e as bombas de calor fornecerão a energia necessária ao aquecimento urbano”.

Solar and wind energy will supply Denmark with heat

Que desapareça a energia negra do carvão, que entre a energia verde, é a recomendação dos especialistas. A longo prazo valerá a pena utilizar a energia verde, declara Katherine Richardson, que está à frente da Comissão para as alterações climáticas.

“Os combustíveis fósseis custarão cada vez mais dinheiro à sociedade, enquanto que a energia verde se tornará mais barata. Nossas análises revelam que se o fornecimento de eletricidade for baseado em combustíveis fósseis, nesse caso cada kWh custará 2,5 coroas dinamarquesas em 2050, enquanto que, se for baseado em eletricidade de origem eólica, cada kWh custará 2,6 coroas dinamarquesas.”

A energia eólica, solar e das ondas são, no entanto, recursos energéticos instáveis, visto que o sol só fornece energia quando brilha, as turbinas eólicas só quando sopra o vento. A natureza não se adapta às necessidades da espécie humana.

A presidente da comissão para as alterações climáticas considera que há muitas vantagens em ligar bombas de aquecimento em grande escala a turbinas eólias. A água do aquecimento urbano poderá deste modo ser conservada quente em tanques muito grandes, preste a ser utilizada pelas famílias urbanas quando necessário.

“Hoje em dia vendemos nossa eletricidade excedentária a outros países, mas, em vez disso, poderíamos guardar esta  energia sob forma de calor no sistema de aquecimento urbano e assim optar por uma utilização eficaz da energia que já produzimos na Dinamarca”, diz Katherine Richardson.


As centrais de aquecimento urbano tornam-se verdes

“Bombas de calor são uma solução sensata”, é a opinião de Hans Hvidtfelt Larsen, líder dum departamento do Laboratório Nacional de Energia Sustentável da Universidade Técnica da Dinamarca (Risø DTU).

“No futuro a eletricidade será uma fonte de energia cada vez mais predominante, sendo assim realísta conectar o aquecimento urbano a bombas de calor em larga escala, alimentadas por eletricidade produzida em turbinas eólicas”, declarou Hans Hvidtfelt Larsen, que chama a atenção para o fato de a Suécia ser um país que já utiliza bombas de calor como amplificadores térmicos.

A mensagem da Associação Dinamarquesa de Aquecimento Urbano é que empresas dinamarquesas também vão generalizar a utilização do aquecimento urbano baseado em energia eólica.

“Seguramente veremos mais iniciativas neste sentido, sendo, no entanto, primordial a capacidade do aquecimento urbano de regular o consumo, visto que o fornecimento de calor originário da energia eólica necessita ser armazenado para cobrir os períodos sem vento”. 

No princípio deste ano, Mikael Togeby, engenheiro civil e parceiro da Ea Energianalyse (Ea Análise de energia), fez um trabalho de investigação na área da “energia térmica eólica” para a Municipalidade de Aarhus. Segundo o Sr. Togeby há duas maneiras de utilizar a eletricidade nos sistemas de aquecimento urbano: uma é aquecer a água diretamente, com um aquecedor de imersão, a outra é utilizar bombas de calor, que termicamente são muito mais eficazes.

“Certas centrais de aquecimento urbano utilizam atualmente o método direto, mas na realidade não há bombas de calor gigantes na Dinamarca. Hoje é difícil obter um bom desempenho econômico com bombas de calor grandes. A nossa análise de Aarhus indica, no entanto, que bombas de calor muito grandes podem servir para o aquecimento prévio da água do aquecimento urbano, sendo possivelmente vantajoso ligá-las de maneira a recuperar o calor de processos industriais, por exemplo,” comenta Mikael Togeby.


ABC energético

• Biomassa: aparas de madeira, palha, biogás, granulados de madeira.
• Combustíveis fósseis: carvão, petróleo e gás natural.
• Energia geotérmica: utilização de água quente proveniente do subsolo.
• Bombas de calor: utilização de energia geotérmica ou de energia solar. Pode multiplicar por três ou quatro a energia recebida sob forma de calor útil produzido.