[Skip to Content]

O compromisso da estratégia energética Junto aos consumidores

Atualmente 80 % das fontes energéticas provêm do petróleo, do carvão e do gás. A transição para fontes energéticas limpas em 2050 será um desafio considerável para todos os dinamarqueses.
É difícil prever como será a vida em 2050 para uma família média. No entanto, a transição para a independência dos combustíveis fósseis não será uma escolha sem custos, mas requererá meios econômicos substanciais. Hoje em dia os combustíveis fósseis são mais baratos que a energia renovável, mas uma reforma do sistema de taxas sobre a energia poderia ajudar, tornando a energia renovável mais atrativa, o que incentivaria seu uso.

Investimentos massivos para o estabelecimento de novas infraestruturas de energia verde serão necessários em curto prazo e poderão torna-se um peso econômico para um agregado familiar dinamarquês. No entanto, a estratégia prevê que as despesas de uma família dinamarquesa em 2050 serão as mesmas que hoje, devido ao aumento do rendimento energético.

É essencial para o Governo dinamarquês que a transição seja feita de uma maneira economicamente responsável e que todas as iniciativas que terão lugar até 2020 estejam já plenamente financiadas. Para ajudar a financiar esta transição, a fatura de aquecimento duma família dinamarquesa – cuja fonte é o petróleo, o gás ou o aquecimento urbano – aumentará de cerca de 900 coroas dinamarquesas (175 dólares, 120 euros) em 2020, correspondendo a um aumento de 4-5%, e as despesas de eletricidade por família subirão de 259 coroas dinamarquesas, ou seja, 49 dólares (33,5 euros).
 
Para a maior parte dos dinamarqueses haverá certo número de opções que tornarão possível o não aumento das despesas com o aquecimento, através de iniciativas eficientes, como por exemplo, a renovação ou a substituição do equipamento atual, ou a aquisição de equipamento novo. Espera-se também que um esforço concertado para promover a poupança de energia levará a uma redução do consume de energia de 5% em 2020.

Com o compromisso de a Dinamarca atingir o objetivo de 30% de energia renovável em 2020, as famílias dinamarquesas estarão ainda mais atentas à questão da eficiência energética do que hoje. 62% das famílias já estão ligadas ao sistema de aquecimento urbano que, utilizando energia proveniente de biomassa, tornará possíveis reduções de vária ordem, incluindo as econômicas, aumentará a eficiência energética e reduzirá localmente o consumo de petróleo. À medida que os fornos de aquecimento à base de petróleo ou instalações à base de gás forem substituídos por bombas de calor, mais eficazes, a eficiência energética aumentará em longo prazo, o que terá como resultado faturas de aquecimento mais baixas.