[Skip to Content]

Fevereiro/março-Carnaval

O Carnaval cai em diferentes dias a cada ano, por que – como um legado dos tempos católicos – deve começar 40 dias de jejum antes da Páscoa. O Domingo da Quinquagésima pode, portanto, o mais cedo ser em 1° de fevereiro e, no mais tardar, em 7 de março.

O Carnaval é uma festa das crianças, colocam uma fantasia – normalmente no Domingo da Quinquagésima – e vão de casa em casa com suas latinhas de coleta que tentam encher de dinheiro. Ganham dinheiro, quando tocam a campainha e cantam para a pessoa que abrir a porta:

‘Boller op, boller ned, boller i min mave,
hvis jeg ingen boller får, så laver jeg ballade’

(‘Bolinhos para cima, bolinhos para baixo, bolinhos na minha barriga,
Se eu não ganhar bolinhos, vou fazer encrenca’)

Os bolinhos são um legado dos dias em que este tipo de alimento constituia um capital simbólico, já que muitas pessoas, em parte, viviam abaixo da linha da pobreza e, em parte, apenas raramente comiam bolos. Hoje, quando não é mais a quantidade de alimentos que distingue a festa do dia-a-dia, os bolinhos foram substituídos por dinheiro. Porém, os bolinhos de Carnaval, que são vendidos nas padarias nas semanas do Carnaval, permanecem uma guloseima  favorita tanto para os adultos como para as crianças.

Frequentemente, os galhos de Carnaval, isto é, ramos de bétula decorados com guloseimas, pequenos presentes, etc, são usados para decorar o lar ou são dados às crianças. O galho de Carnaval era originalmente um símbolo de fertilidade, por que o ramo de folhas novas epitomiza os brotos de primavera.

Durante o Carnaval, as crianças ‘derrubam o gato do barril’, isto é, batem em um barril suspenso cheio de doces e outras guloseimas com tacos; a criança que fizer um buraco no barril é escolhida para ser ‘Rei’ ou ‘Rainha de Gatos’.

As origens do costume de Carnaval

O fundamento deste costume é que, de acordo com as crenças populares, o gato era o companheiro das bruxas e demônios e, por isso,  ‘carregado’ do mal. O Carnaval caía na época do ano em que começavam os primeiros preparativos para as plantações vitais e as pessoas tentavam se proteger contra o mal, expurgando-o. Até meados do século XIX, isto era feito na Dinamarca colocando-se um gato vivo num barril que era batido a fim de fazer com que o gato corresse quando quebrasse o barril.
A palavra dinamarquesa de Carnaval (‘fastelavn’), que originalmente era uma festa dos adultos, de fato significa ‘noite de jejum’ e referia-se à noite antes do jejum cristão, que começava na quarta-feira de Cinzas. Porém, as festas já começavam no Domingo da Quinquagésima com grandes comidas. Após a Reforma, quando a obrigação de jejuar rapidamente cessou de existir, as celebrações de Carnaval continuavam até o domingo seguinte. Havia procissões, vários tipos de competições e certames, assim como jogos, nos quais o Inverno e o Verão simbolicamente lutavam para se impor.