[Skip to Content]

Søren Kirkegaard

1813-55. "Os gênios são como as trovoadas, enfrentam o vento, aterrorizam as pessoas, limpam o ar". Assim escreveu Søren Kierkegaard em 1849. Ele se concebia como um gênio e achava que o seu brilho intelectual "pertencia à minoria".

Søren KirkegaardSøren Kierkegaard sempre enfrentou o vento, indo contra os movimentos e sistemas prevalecentes, e o fêz porque acreditava que a "verdade sempre é apenas encontrada junto à minoria". Em oposição à maioria, o abstrato, Søren Kierkegaard colocou o concreto, "o indivíduo único".

Søren Kierkegaard viveu toda a sua vida em sua cidade natal de Copenhague. A sua infância singular em sua casa em  Nytorv estava impregnada pelo pietismo e melancolia de seu pai.

Søren Kierkegaard estudou teologia na Universidade de Copenhague, de 1830-40; durante um considerável período, porém, a teologia desempenhou um papel secundário, sendo substituída pela literatura, teatro, política e filosofia, bem como uma vida dissoluta, em parte modelada como um desafio às posições cristãs, restritas e sombrias, que caracterizaram o seu lar.

Mas após um despertar religioso em 1838 e a morte de seu pai naquele mesmo ano, Søren Kierkegaard mais uma vez se dedicou aos estudos de teologia, graduando na matéria em julho de 1840.

Dois meses mais tarde, Søren Kierkegaard ficou noivo de Regine Olsen, nove anos mais jovem. Mas como ele "num sentido religioso, tinha sido prometido a Deus desde a infância"  ele não podia casar com Regine. Depois de treze meses intensos, ele rompeu o noivado em outubro de 1841.

O infeliz caso de amor o marcou profundamente para o resto da vida, e o impulsionou como autor de Ou Isso, ou Aquilo e Dois Discursos Edificantes, que foram publicados no mesmo dia, em 1843. No entanto, já em 1838,  Søren Kierkegaard havia publicado o seu primeiro livro, Das Escritas de Um Ainda Vivo, uma análise crítica da novela de Hans Christian Andersen, Apenas Violinista, e em 1841 defendeu a sua tese de doutorado, O Conceito de Ironia.

As publicações filosóficas, psicológicas, religiosas e cristãs de Søren Kierkegaard, que totalizam cerca de 40 títulos, estão divididas em duas fases: 1843-46 e 1847- 51. Além de Ou Isso, Ou Aquilo e uma série de discursos edificantes, a primeira fase inclui títulos como Temor e Tremor, O Conceito de Angústia, Migalhas Filosóficas e Pós-escrito Final Não-Científico, este último representando a transição entre as duas fases.

A segunda fase, cristã, consiste em obras como As Obras do Amor, Discursos Cristãos, Doença até a Morte e Prática Cristã. Adicionalmente, há as revistas, cerca de 64 agendas e diários mantidos por Søren Kierkegaard de 1833 a 1855, que proporcionam um conhecimento de seu modo de trabalho, e as "resenhas dos bastidores".

Em sua obra, Søren Kierkegaard descreve várias possibilidades de existência, especialmente os três principais estágios, que ele chama de "esferas da existência": o estético, o ético e o religioso, demonstrando a sua insuficiência em relação ao verdadeiramente cristão.  O homem só se torna um ser autêntico quando se relaciona com Deus que o criou. E apenas pode se tornar um ser verdadeiro professando a sua fé em Cristo e obtendo Dele o perdão de seus pecados.

Mas "além de professar a fé em Cristo, é preciso agir como um cristão". Por isso, a verdade é sempre uma verdade em ação, tal como a fé é sempre uma fé através das obras.

 

Søren Kierkegaard via a si mesmo como um autor religioso com a tarefa de "presentear o cristianismo". Ele queria "limpar o ar", descartar todas as ilusões sensoriais e a hipocrisia e encontrar o seu caminho de volta para o "cristianismo do Novo Testamento". Embasado nisso, nos seus últimos anos ele partiu para o ataque às autoridades eclesiásticas e ao cristianismo que oficialmente pregonizavam.

Søren Kierkegaard começou a sua "batalha contra a igreja" no final de 1854 com uma série de artigos de jornal e continuou-a com grande astúcia, opiniões radicais e senso jornalístico nos panfletos que ele chamava de O Momento 1-9.

Em outubro de 1855,ele sofreu um colapso na rua, doente e esgotado, foi levado ao hospital, onde faleceu cinco semanas depois. Através de traduções em alemão, a fama de Søren Kierkegaard ficou estabelecida fora da Dinamarca na virada do século e a sua obra atingiu uma grande importância internacional depois da Primeira Guerra Mundial. Por exemplo, Søren Kierkegaard se tornou a grande fonte de inspiração para a teologia dialética, para a filosofia existencial, a filosofia do diálogo e para a teologia existencial.

A partir dos anos 1960 até meados dos 1980, ele caiu em esquecimento, mas desde então a sua obra passou por um renascimento dramático, não apenas entre os acadêmicos, como junto ao público em geral, tanto nacional como internacionalmente – em especial nos países que foram formados por pensamentos e filosofias de vida marxistas.

Além disso, ele foi descoberto por novas disciplinas como a filosofia linguística, a fenomenologia e a teoria literária. O interesse renovado por Kierkegaard está em parte ligado ao desejo de uma compreensão abrangente da vida, tanto a nível científico, filosófico como a nível ético e existencial. E semelhantemente, está ligado a uma nova procura de respostas às questões fundamentais sobre o sentido do indivíduo, os fundamentos da ética e a relação entre a religião/o cristianismo e a sociedade.
 

"Há dois tipos de gênios. A característica de um é urrar, mas o relâmpago é fraco e raramente cai; o outro é caracterizado pela reflexão através do qual se limita ou restringe os urros. Mas o relâmpago é tanto mais intenso; com a velocidade e a segurança do relâmpago, o último acerta pontos particulares especiais e é fatal." Søren Kierkegaard pertencia ao ultimo tipo de gênio.


Niels Jørgen Cappelørn, Gyldendal Leksikon